Missile Command Recharged: Mísseis disparados pela Rússia no espaço trazem graves consequências

Novas evidências revelaram quantos detritos espaciais foram criados pelo recente teste anti-satélite da Rússia, e os primeiros resultados não parecem bons. Quando fala-se sobre detritos e poluição, a conversa geralmente gira em torno dessas coisas na Terra. Os humanos tendem a ser uma espécie bastante imprudente – como fica evidente pela quantidade infinita de lixo, poluição dos oceanos e outros tipos de lixo que adicionamos ao planeta.

Embora não seja falado com tanta frequência, o mesmo se aplica ao espaço sideral. Em maio de 2021, a NASA confirmou que o Departamento de Defesa dos EUA estava rastreando mais de 27.000 fragmentos orbitais / lixo espacial no “ambiente espacial próximo à Terra”. Isso inclui espaçonaves fora de serviço, componentes de veículos de lançamento, satélites antigos, etc. A NASA estima que cerca de 23.000 detritos orbitais são maiores do que uma bola de softball, junto com outras 500.000 peças do tamanho de uma bola de gude.

EUSST

Esses tamanhos não parecem muito preocupantes no papel, mas quando essas coisas orbitam a Terra a velocidades de até 28163.52 km/h, podem ser extremamente perigosas para missões em andamento e futuras. Infelizmente, a situação dos detritos espaciais não está melhorando. Em vez disso, só está piorando. Em 15 de novembro, a Rússia conduziu um teste anti-satélite, no melhor estilo Missile Command do clássico da Atari, explodindo um de seus próprios satélites.

O país resistiu ao teste e afirma não representar nenhuma ameaça às ‘atividades espaciais’, mas novas evidências sugerem o contrário. Duas novas visualizações dos destroços resultantes da explosão foram compartilhadas em 18 de novembro – uma da rede de Vigilância e Rastreamento Espacial da União Europeia e outra do professor Hugh Lewis da Universidade de Southampton. Olhando para os dois, os destroços recém-criados parecem muito ruins.

O que esses novos recursos visuais revelam sobre os detritos de satélite

Imagem: Hugh Lewis

Olhando primeiro para o visual do EUSST, ele mostra os destroços inicialmente começando como um pacote compacto. À medida que viaja ao redor da Terra, no entanto, ele se expande rapidamente até formar um enorme arco ao redor do planeta. O EUSST diz que ainda tem muito mais pesquisas a serem realizadas para entender completamente a gravidade da explosão, mas as primeiras descobertas certamente não parecem boas.

O visual de Lewis oferece uma visão semelhante dos destroços orbitando a Terra, embora ele se concentre na aparência dos destroços ao passarem sobre o Oceano Atlântico. Lewis ainda explicou seu visual ao The Verge, explicando que cada pedaço de entulho está orbitando a Terra em velocidades diferentes com base em sua altura acima do planeta. A altura dos destroços também afetará a rapidez com que são sugados para a atmosfera da Terra e, eventualmente, deixam a órbita.

Detritos próximos à Terra provavelmente irão queimar nos próximos cinco anos, enquanto pedaços mais distantes podem permanecer no espaço por décadas. Com o Departamento de Estado dos EUA estimando que haja pelo menos 1.500 pedaços de destroços por causa da explosão, é uma situação desoladora, não importa como você a corte.

Via: The Verge/Screen Rant/EUSST/Hugh Lewis

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

sáb, 20 nov 2021 12:30:32 -0300

No comments

Deixe uma resposta

Publicidade

Publicidade

Jogos!

Buscador – Encontre tudo que precisa na Internet!