TBT | Conheça a evolução do Homem-Aranha no Universo Marvel… dos jogos

O Homem-Aranha é um dos personagens mais queridos e carismáticos do Universo Marvel. E é por vários motivos, como por exemplo, em sua época de criação, agosto de 1962, ele ser completamente diferente dos super-heróis da época e de hoje ainda. Peter Parker é magro, usa óculos, sofre com abusos dos valentões da escola, mora com seus tios e quando ganha seus poderes, a trágica morte acontece em sua família.

Com o passar do tempo, os problemas do personagem continuaram, com a chegada da faculdade, ter que trabalhar para se sustentar e ainda tentar ter uma vida social e ser o escalador de paredes. Este era e ainda é, um dos heróis mais parecidos com o mundo real que temos. Por isso, é fácil se identificar com ele. Mas Peter ainda teve que sofrer mais: a morte de sua namorada, a revelação de sua identidade em Guerra Civil e em seguida não ser mais casado com Mary Jane, ter sido morto pelo Dr. Octopus que em seguida tomou o seu corpo e por aí vai.

São muitas histórias que fica até dificil e complicado fazer um compilado a respeito. E o Homem-Aranha também ganhou outros universos com o passar dos anos, como a televisão, cinema e os jogos! Agora, caso queira saber mais a respeito de tudo onde o Cabeça de Teia já passou, fica um vídeo abaixo para conferir todos os Homens-Aranha da TV e dos cinemas. Tem um até que é vilão…

Mas retornando ao universo dos jogos, o aracnídeo também teve grandes momentos. Foram diversos títulos lançados através dos anos, com alguns Incríveis e outros que são dignos de esquecimento. O Homem-Aranha já estrelaou quase 40 títulos próprios, sem mencionar as aparições em outros jogos, desde lutas a de skate, sendo que sua escalada teve início ainda nos anos 1980. Vamos a alguns deles. Os títulos estão com o seu nome original em inglês com o ano de lançamento.

Spider-Man (1982)

Com os videogames explodindo em popularidade durante a década de 1970, principalmente com o Atari, a Marvel viu uma fonte de receita que não podia mais ignorar. Pela primeira vez, a Casa das Ideias licenciou um de seus personagens para um desenvolvedor de jogos, os agora extintos Parker Brothers. O resultado foi o Homem-Aranha de 1982 para o Atari 2600 e Sears Video Arcade (essencialmente um Atari 2600 rebatizado vendido exclusivamente nas lojas da Sears).

Embora fosse repetitivo e simplista, o jogo explorou, para seu crédito, a fantasia de ser o Homem-Aranha que, como todos sabemos, gira em torno de se balançar em teias e escalar edifícios. O fato de que o traje azul e vermelho do Aranha era algo reconhecível enquanto renderizado com algumas dezenas de pixels também significava que os visuais eram considerados impressionantes na época.

O desafio era bem simples: escalar as paredes ou se balançar no prédio e tomar cuidado com o Duende Verde. No final o herói deve desativar uma super bomba. Era um jogo muito divertido e fez a cabeça – inclusive deste que escreve -, de uma grande geração de jogadores do Atari.

Questprobe: Featuring Spider-Man (1984)

Scott Adams tem a distinção de ser a primeira pessoa a fazer um jogo de aventura para PCs com Adventureland de 1978. Em 1984, ele adotou uma abordagem semelhante com Questprobe, uma série de aventura planejada de 12 partes que apresentaria um super-herói diferente em cada episódio. A falência da Adventure International, editora de Adams, interrompeu esses planos depois de apenas três entradas, no meio das quais apresentava o Homem-Aranha (Hulk e Tocha Humana entre outros).

Os jogadores precisavam inserir comandos de texto simples (“Look Table”, “Talk Mysterio,” etc.) para levar o Homem-Aranha por um misterioso prédio de apartamentos, confrontando vilões como Homem-Areia e Electro, enquanto coleta joias para Madame Teia. Muitos dos quebra-cabeças eram ilógicos, e encontrar a combinação exata de verbo-substantivo frequentemente era uma questão de tentativa e erro.

Mas o maior problema era conceitual: nada diz “experiência emocionante de super-herói” como uma aventura de texto baseada em quebra-cabeças!

The Amazing Spider-Man vs. The Kingpin (1990-1993)

O ano de 1990 viu a chegada de um trio de praticantes de plataforma do Aranha. Tanto Oxford Digital Extremes quanto Rare lançaram jogos chamados The Amazing Spider-Man (Oxford’s para PCs, Rare’s para Nintendo Gameboy), mas foi a primeira tentativa da Sega na licença do Homem-Aranha, administrada pelo desenvolvedor Technopop, que melhor capturou o espírito do herói.

The Amazing Spider-Man vs. The Kingpin foi lançado primeiro no Sega Master System e foi transportado para o Mega Drive, Game Gear e Sega CD nos anos seguintes após seu grande sucesso. Um jogo de plataforma de rolagem lateral, foi o primeiro jogo do Homem-Aranha a capturar a alegria de se mover pelo ar em parábolas de teia de alta velocidade, permitindo que os jogadores balancem de um lado a outro em níveis que variam de armazéns a paisagens urbanas e florestas assustadoras.

Spider-Man and Venom: Maximum Carnage (1994)

Spider-Man e Venom: Maximum Carnage da Software Creations e do Acclaim Black Team era o epítome de um lutador mediano licenciado. Balançando para o SNES e Mega Drive, apresentava todos os nomes e semelhanças corretos, mas faltava qualquer aparência de magia de jogo. Os revisores da época ficaram adequadamente desapontados.

No entanto, era notável por duas coisas importantes. O enredo de Maximum Carnage assumiu o controle dos quadrinhos do Homem-Aranha no ano anterior como um enorme evento crossover de 14 partes, que agora é considerado um momento integral no cânone do Aranha. Ser capaz de reviver aqueles eventos na forma de videogame logo em seguida era algo raro na época.

Spider-Man (2000)

Em total contraste com a estreia notoriamente terrível do Superman em 3D, o Homem-Aranha entrou na terceira dimensão com estilo. Em alta após o grande sucesso do Pro Skater de Tony Hawk, a desenvolvedora Neversoft reaproveitou seu motor de Pro Skater de ponta e deu ao mundo seu melhor jogo do Aranha até agora. O Homem-Aranha chegou ao PlayStation em 2000 e logo foi portado para o Dreamcast, Nintendo 64, PC e Game Boy Color.

O título da Neversoft capturou a fantasia de balançar pela cidade de Nova York como nunca antes, permitindo aos jogadores um grau de liberdade antes inimaginável. Claro, as ruas podem ter sido cobertas por uma névoa amarela que mataria o Homem-Aranha se ele caísse muito baixo, mas ser capaz de “fazer o que uma aranha pode” no espaço 3D foi um marco na história dos videogames de super-heróis.

Spider-Man 2 (2004)

Depois de estabelecer bases sólidas em 2002 com o Homem-Aranha: O Filme (o jogo), a Treyarch, agora mais conhecida como um dos guardiães de Call of Duty, foi maior e melhor com esta sequência agora clássica. Homem-Aranha 2, vagamente baseado no segundo filme de Sam Raimi, trouxe o herói para o gênero de mundo aberto. Foi um ajuste natural. A versão do jogo da cidade de Nova York era uma ampla caixa de areia cheia de assaltos aleatórios que precisavam ser contrariados, civis precisando de uma carona para o hospital e carros em fuga implorando para serem perseguidos (e socados).

Ultimate Spider-Man (2005)

O Último Homem-Aranha da Treyarch pegou o modelo estabelecido pelo Homem-Aranha 2, expandiu o mapa para incluir o bairro natal de Parker no Queens e, mais importante, abandonou o estilo fotorrealista primitivo em favor de um visual cel-shadded que lembra os quadrinhos. Como resultado, ainda é um jogo estiloso até hoje. Durante os momentos-chave da história, a ação mudou para Venom. O simbionte desequilibrado de Eddie Brock tinha um moveset que parecia único de Parker, pulando alto no ar em vez de balançar, arremessar carros e até comer NPCs para reabastecer sua saúde constantemente esgotada.

Outros títulos que valem destaque

Dos altos criativos do início a meados dos anos 2000, o Homem-Aranha foi repentinamente mordido por uma década de mediocridade radioativa. A Activision transferiu permanentemente a Treyarch para as funções de CoD após o Spider-Man: Web of Shadows de 2008, entregando a máscara ao desenvolvedor canadense Beenox.

A corrida do desenvolvedor começou de forma promissora com Spider-Man: Shattered Dimensions de 2010, que alternou entre a realidade alternativa de Aranhas com: Noir, 2099, Amazing e Ultimate. No entanto, um ciclo de lançamento anual teve retornos previsivelmente decrescentes: Edge of Time de 2011 e The Amazing Spider-Man de 2012 foram cada um pior do que o anterior. Um ano de folga não ajudou The Amazing Spider-Man 2 de 2014, um ponto baixo para a produção de videogame, que teve uma pontuação de 46 no Metacritic.

Em 2018 o teioso volta com Spider-Man um jogo eletrônico de ação-aventura desenvolvido pela Insomniac Games e publicado pela Sony Interactive Entertainment. É baseado nos personagens, mitologia e adaptações em outras mídias do super-herói de histórias em quadrinhos Homem-Aranha da Marvel Comics, tendo sido lançado exclusivamente para PlayStation 4 em 7 de setembro de 2018.

Na sequência, agora mudando o personagem debaixo da máscara, chega Spider-Man: Miles Morales, também desenvolvido pela Insomniac Games e publicado pela Sony Interactive Entertainment para o PlayStation 4 e PlayStation 5. O game recebeu muitas críticas positivas, sendo considerado pela nova geração, um dos melhores jogos do Homem-Aranha. Já Marvel’s Spider-Man 2 foi confirmado que já está sendo desenvolvido pela Insomniac e tem previsão de lançamento para 2023.

Via: YouTube/Game Informer/Marvel/Sony/Wiki

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

qui, 16 dez 2021 15:57:48 -0300

No comments

Deixe uma resposta

Publicidade

Publicidade

Jogos!

Buscador – Encontre tudo que precisa na Internet!