Co-Criador do Xbox fala sobre a toxidade em Halo Infinite

O console Xbox original, foi lançado há 20 anos, sendo desenvolvido como um sistema padronizado para poder competir com o próspero PlayStation 2. A série de consoles já percorreu um longo caminho desde então, mas há pelo menos um elemento comum nos jogos online do Xbox que co-o criador do sistema não está feliz. Seamus Blackley é um dos designers responsáveis pela criação do sistema Xbox original e não gosta do que vê nas redes sociais.

Um tweet compartilhado recentemente revelando a experiência de um jogador com jogadores tóxicos e assédio por chat de voz tem circulado e chamou a atenção de Blackley. O tweet em questão foi inicialmente compartilhado pela usuária do Twitter e streamer GrenadeQueen1, que gravou e enviou imagens de sua experiência recente com Halo Infinite.

Embora o jogo tenha recebido muitos elogios, sua experiência com outros jogadores foi tudo, menos positiva. Embora ela permaneça quieta durante o clipe, outros jogadores a assediam verbalmente durante a gravação, informando-a para “sair do meu Halo” porque ela “não deveria estar aqui” junto com outros comentários depreciativos, algo que infelizmente mesmo sendo mostrado diariamente em outros jogos, continua a acontecer.

Grenade Queen compartilhou o vídeo para objetar ao comportamento, e muitos usuários do Twitter aceitaram os comentários para concordar ou argumentar contra seu ponto de vista. Um deles foi Blackley, que retuitou e criticou o comportamento, afirmando que não era o futuro que eles queriam para o Xbox e que já era hora de todas as partes envolvidas encontrarem uma maneira de combater o assédio nas plataformas de jogos.

Embora o comentário em questão se concentre nos consoles do Xbox, esse tipo de comportamento é comum em quase todas as plataformas de jogos. As respostas ao tweet variam em resposta, com algumas apoiando a streamer e destacando esse tipo de comportamento. Outros observaram que algum nível de zombaria e assédio é uma constante nos jogos e argumentaram que os jogadores precisavam de uma pele mais dura ou deveriam usar as ferramentas dos jogos para bloquear os trolls.

Blackley falou com a Axios sobre o problema, alegando que a Microsoft não tinha feito o suficiente durante os primeiros dias de desenvolvimento do Xbox Live para combater o assédio. Ele descreveu o problema como tendo passado de ‘mal a puro mal’ desde então, e pediu ao Steam e ao Xbox para reconhecer que há um problema e precisa ser combatido.

Claro, não é que os desenvolvedores e as empresas de console não tenham feito nada. O Xbox introduziu diretrizes mais claras em um esforço para minimizar esse tipo de comportamento no mesmo ano em que a Liga Antidifamação revelou que a grande maioria dos jogadores adultos sofreram assédio durante os jogos.

O assunto não foi a lugar nenhum desde então, com uma patente da Sony projetada para combater os trolls dos jogos descoberta apenas alguns dias atrás. Resta saber o quanto editores e desenvolvedores podem fazer para combater esse tipo de comportamento, mas qualquer passo na direção certa provavelmente seria uma mudança bem-vinda para qualquer pessoa que já lidou com assédio em jogos, especialmente com ataques direcionados baseados em gênero ou raça.

Via: Game Rant/Twitter/Axios

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

qua, 22 dez 2021 15:51:07 -0300

No comments

Deixe uma resposta

Publicidade

Publicidade

Jogos!

Buscador – Encontre tudo que precisa na Internet!