Após compra de parte do Twitter, Elon Musk é processado por acionistas da rede social

Elon Musk está enfrentando uma ação coletiva federal dos acionistas do Twitter que alegam que os proprietários perderam ganhos potenciais porque sua compra de ações não foi divulgada adequadamente. Musk, o magnata da tecnologia que atua como CEO da Tesla e da SpaceX, foi consumido por uma enxurrada de atenção da mídia após sua compra surpresa de ações da rede social.

Embora a empresa tenha sustentado que o bilionário não terá o poder de impactar as operações cotidianas do Twitter, Musk tem sido consistente em seu descontentamento com suas políticas de liberdade de expressão e moderação. Depois de considerar brevemente o lançamento de sua própria plataforma de mídia social, Musk comprou uma participação significativa no Twitter, que agora está sob escrutínio.

Na segunda-feira, 4 de abril de 2022, Musk revelou por meio de um registro na Securities and Exchange Commission (SEC) dos EUA que havia comprado 73.486.938 ações do Twitter, o que equivale a uma participação de 9,2% na empresa. A propriedade é considerada uma participação passiva, mas é possível que as participações de Musk se tornem uma participação ativa no futuro.

Sua compra repentina de ações – que agora coloca Musk como o maior acionista do Twitter – levantou questões sobre suas intenções para sua participação e, portanto, a empresa. O CEO do Twitter, Parag Agrawal, anunciou inicialmente que Musk receberia um assento no Conselho de Administração do Twitter; no entanto, Musk recusou a oferta para se juntar ao conselho no sábado, 9 de abril.

A revelação das participações de Musk em 4 de abril desencadeou uma ação coletiva sobre a legalidade de sua divulgação da compra do Twitter. De acordo com o documento, ele começou a comprar ações do Twitter em janeiro de 2022. Musk acumulou uma participação de 5% na empresa até 14 de março de 2022.

O público não estava ciente dessas aquisições e o CEO da Tesla continuou a adicionar ações ao seu portfólio nos dias subsequentes após ter ultrapassado o limite de cinco por cento. Leis e regulamentos federais – incluindo o Exchange Act e as regras da Securities and Exchange Commission (SEC) – exigem que os acionistas preencham um formulário do Anexo 13 dentro de dez dias após ultrapassarem uma participação de cinco por cento na empresa. Como Musk ultrapassou o limite de cinco por cento em 14 de março de 2022, ele foi obrigado a apresentar um Anexo 13 até 24 de março de 2022.

Acionistas reivindicam danos devido à divulgação de Musk

Apesar dos requisitos da SEC mencionados anteriormente, Musk não divulgou sua compra de ações do Twitter até 4 de abril, dez dias após o prazo para relatar uma participação de 5% em uma empresa. Durante esse período, o processo alega que Musk continuou a adicionar ações – de 5% em 14 de março para 9,2% em 4 de abril – mais barato do que se ele tivesse informado corretamente sua participação.

Por outro lado, os demandantes alegam que os acionistas que venderam suas ações entre 24 de março e 4 de abril perderam o aumento de valor resultante da compra de Musk. Quando o dono da Tesla divulgou suas compras de ações no Twitter, os preços das mesmas subiram aproximadamente 27% – de US$ 39,31 por ação em 1º de abril para US$ 49,97 em 4 de abril – de acordo com o processo.

O reclamante da classe Marc Bain Rasella acredita que a divulgação tardia de Musk afetou centenas de acionistas do Twitter. Além disso, alega-se que milhões de ações do Twitter foram negociadas entre 24 de março e 4 de abril, momento em que a ação foi severamente desvalorizada. Se o caso avançar, depende se Musk violou os regulamentos da SEC e se suas declarações foram falsas ou enganosas.

Via: Screen Rant/U.S. 1:22-cv-03026

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

qui, 14 abr 2022 10:25:47 -0300

No comments

Deixe uma resposta

Publicidade

Publicidade

Jogos!

Buscador – Encontre tudo que precisa na Internet!