Desenvolver regiões relacionadas à inteligência do cérebro pode melhorar a saúde mental

O lobo frontal do cérebro é o principal responsável pela inteligência, por isso é necessário desenvolver essa região e colocar a inteligência como determinante para melhorar a saúde mental. Sobre esse tema eu escrevi um artigo divulgado no livro ‘A medicina como elo entre a ciência e a prática’, da editora Atena.

A maior dificuldade no processo terapêutico é convencer o paciente sobre a existência do problema e mais ainda, despertar nele a vontade de resolver, pois muitas doenças, transtornos ou distúrbios em geral afetam a tomada de decisão, a coerência sobre o problema e a prevenção, que são comportamentos relacionados com a região da inteligência no cérebro, no lobo frontal.

Esta região é responsável pela inteligência matriz, tendo como funções, por exemplo, movimentos voluntários, produção de fala e linguagem, atenção e concentração, organização e planejamento, expressão de personalidade, entre outras funções.
Quando o paciente sofre de algum transtorno, como de personalidade, borderline, anti-social, narcisista ou obsessivo-compulsivo, o lobo frontal apresenta uma diminuição volumétrica ou funcional.

Nosso cérebro foi projetado para o futuro, por isso sempre pensamos antes no que vamos fazer. A tomada de decisões é um ato instantâneo e presente que depende das boas conexões do lobo frontal em conjunto com outras regiões do cérebro.
Entre os sintomas que os danos no lobo frontal podem incluir, estão: problemas com a fala ou linguagem, mau planejamento ou organização, persistência com um comportamento, dificuldades com funções de ordem superior, como raciocínio, resolução de problemas e julgamento.

Para desenvolver esse lado do cérebro, indico possíveis soluções, como o autorreconhecimento; ouvir mais e falar menos; nunca explodir antes de raciocinar, manipular os pensamentos, enfrentar o medo, mudar hábitos, ter contato com a natureza, interação humana, boa alimentação, praticar exercício físico, e dormir bem.

Se não consegue praticar os itens acima, se há dificuldades em se auto ajudar, então é necessário à ajuda de um profissional o quanto antes para que o problema seja solucionado de forma gradativa, sem o uso de medicamentos.

Artigo publicado: https://www.atenaeditora.com.br/post-artigo/63950

Sobre o Dr. Fabiano de Abreu

Fabiano de Abreu Agrela Rodrigues é colunista do Observatório de Games, PhD em Neurociências, Mestre em Psicanálise, Doutor e Mestre em Ciências da Saúde nas áreas de Psicologia e Neurociências com formações também em neuropsicologia, licenciatura em biologia e em história, tecnólogo em antropologia, pós graduado em Programação Neurolinguística, Neuroplasticidade, Inteligência Artificial, Neurociência aplicada à Aprendizagem, Psicologia Existencial Humanista e Fenomenológica, MBA, autorrealização, propósito e sentido, Filosofia, Jornalismo e formação profissional em Nutrição Clínica. Atualmente, é diretor do Centro de Pesquisas e Análises Heráclito; Chefe do Departamento de Ciências e Tecnologia da Logos University International, diretor da MF Press Global, membro da Sociedade Brasileira de Neurociências e da Society for Neuroscience, maior sociedade de neurociências do mundo, nos Estados Unidos. Membro da Mensa e Intertel, associação de pessoas de alto QI e especialista em estudos sobre comportamento humano e inteligência com mais de 100 estudos publicados.

Redação , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

sáb, 14 maio 2022 19:52:35 -0300

No comments

Deixe uma resposta

Publicidade

Publicidade

Jogos!

Buscador – Encontre tudo que precisa na Internet!