Este ‘documentário jogável’ sobre um clássico de 1984 é um dos melhores jogos do ano

Observatório de Games.

Quando você abre pela primeira vez The Making of Karateka, a impressionante retrospectiva interativa da Digital Eclipse sobre a obra-prima de 1984 do criador do Prince of Persia, Jordan Mechner, é recebido com esta citação de seus diários quando ele tinha apenas 18 anos:

Meu objetivo para este verão é concluir Karateka. Se for metade do que eu sonho, isso deverá ser suficiente para me lançar no mundo dos videogames.

Com esta introdução, The Making of Karateka deixa claro suas intenções: não se trata apenas de explicar como um jogo marcante foi criado, mas de humanizar o processo de criação, capturando o brilho criativo e a ambição de seu jovem criador, sem o qual Karateka jamais teria sido realizado. Aqui está por que considero isso tão significativo.

Valorizar a história de um jogo é tão crucial quanto preservá-la

Quando jovem, minha mãe, uma entusiasta do cinema, ocasionalmente me mostrava filmes dos anos 1940 e 50; filmes estrelados por Cary Grant ou Jimmy Stewart, dirigidos por Alfred Hitchcock ou Billy Wilder. Para ser sincero, eu não os compreendia verdadeiramente. Em preto e branco e originados de uma era distante antes de eu nascer, pareciam-me antiquados e empoeirados. Eu não conseguia vê-los como criações vivas e urgentes que são. Enquanto apreciava sabres de luz e batalhas de naves estelares de Star Wars, ainda não conseguia entender o cinema como uma forma de arte que mantinha sua vitalidade e relevância ao longo das décadas, um reflexo duradouro dos impulsos artísticos daqueles que o conceberam.

Hoje, porém, posso assistir a Cidadão Kane e me emocionar com as inovações de Orson Welles, mesmo que tenham sido imitadas por inúmeros cineastas desde então. Posso assistir a Evil Dead e ficar fascinado com as maneiras pelas quais Sam Raimi superou as limitações técnicas de baixo orçamento da produção para criar algo notável e eletrizante.

O que abriu essas portas para mim foi o fato de que a história do cinema não apenas é preservada, mas é contada e celebrada por cineastas, críticos e historiadores. Posso assistir à impressionante série de Mark Cousins, The Story of Film; posso ler as críticas de figuras influentes como Pauline Kael e Andrew Sarris; posso ouvir Martin Scorsese discorrer poeticamente sobre os filmes que ele cresceu assistindo. Os videogames são ainda jovens, mas já temo que estejamos em perigo – não de perder o acesso aos primeiros jogos, mas de perder as histórias e perspectivas que poderiam iluminar o que os torna tão influentes e emocionantes. Tenho receio de que em breve teremos legiões de jogadores que olham para todos os jogos feitos antes do lançamento do NES em 1985 e os veem como relíquias irrelevantes, assim como eu via os filmes dos anos 40 e 50 que minha mãe me mostrava.

Mas não precisa ser assim

Com The Making of Karateka, o respeitado estúdio de emulação Digital Eclipse continua o trabalho que realizou em lançamentos anteriores, como o Atari 50 do ano passado. Os desenvolvedores não apenas nos proporcionam uma maneira de jogar jogos antigos; eles oferecem uma oportunidade para apreciá-los, contando as histórias de sua criação e fornecendo um contexto histórico que nos ajuda a reconhecer o quão visionários e emocionantes eles são, mesmo que não tenhamos vivido na época em que foram lançados.

A menu screen from The Making of Karateka shows two figures facing each other while text describes the Atari 8-bit version of Karateka.
Captura de tela: Digital Eclipse

O que é Karateka?

Karateka é um jogo de ação side-scrolling lançado inicialmente para o Apple II em 1984, e é notável. Em conceito, é tão simples que parece a ideia arquetípica de um videogame: você assume o papel de um jovem guerreiro que deve lutar contra as forças de um senhor da guerra maligno, infiltrar-se em seu castelo e resgatar sua amada. Inspirado por clássicos filmes de artes marciais como Enter the Dragon, Karateka desafia você a enfrentar seus adversários um a um, e embora o combate seja básico pelos padrões atuais, ainda impacta devido ao seu design visual limpo e toques estilísticos, como pequenas explosões que indicam quando você ou seu oponente são atingidos. Podemos dizer que adota uma abordagem minimalista, transmitindo muito através da linguagem corporal, algumas tomadas de câmera distintas e uma trilha sonora habilmente composta pelo pai de Jordan, Francis.

Karateka continua extremamente jogável até hoje. É um jogo que ensina enquanto você joga, e o desafio recompensa a dedicação necessária para vencer. No entanto, não sou ingênuo. Sei que aqueles sem uma conexão nostálgica com o jogo original podem ter dificuldade em reconhecer sua grandeza. Neste momento, tantos jogos construíram sobre o que Karateka estabeleceu que pode ser quase impossível para os jogadores modernos entenderem o impacto que teve na época.

Portanto, é reconfortante que The Making of Karateka nos ajude a iluminar tudo isso. Em parte, isso é feito através de entrevistas não apenas com Mechner e seu pai, mas também com figuras como o cofundador da id Software, Tom Hall, e o co-criador de Mortal Kombat, John Tobias. Através de suas memórias de jogar Karateka em 1984 e suas reflexões sobre seu impacto na história dos jogos, podemos entender melhor o que o tornou tão notável na época e por que ainda é relevante hoje.

Sempre admirei o foco preciso de Karateka e seu senso de drama, mas jogá-lo novamente após assistir a estes extras me deu uma nova apreciação pelo quanto Mechner estava empurrando os limites do possível na época. Por exemplo, o Apple II não permitia uma rolagem tradicional, como vemos em Super Mario Bros., mas Mechner conseguiu criar a ilusão de movimento usando um truque visual notável.

E a animação, meu Deus, a animação. Grande parte de The Making of Karateka explora o esforço significativo que Mechner dedicou ao movimento no jogo, e com razão. Ele usou a técnica de rotoscopia, filmando seres humanos reais em movimento e baseando a animação do jogo nesses exemplos vivos que capturou. Os resultados são extraordinários. É igualmente maravilhoso que muito deste material original tenha sido preservado e que o Digital Eclipse tenha conseguido incluí-lo, mostrando detalhadamente como um dos feitos mais impressionantes dos primeiros jogos foi alcançado.

Capturando o ímpeto criativo por trás de uma obra-prima dos videogames

É através desses tesouros de arquivo que The Making of Karateka narra sua história de uma maneira que captura o fogo criativo dentro de Mechner. Temos o diário de Mechner que abre o jogo, mas também vislumbramos seus altos e baixos, suas lutas e o preço que sua dedicação à visão criativa estava cobrando dele.

“Estou ansioso por Karateka. F***-se Deathbounce [projeto de jogo anterior rejeitado de Mechner]. Que desperdício“, ele escreveu em 18 de julho de 1983. Em 6 de fevereiro do mesmo ano, ele registrou: “Quando estou trabalhando, o tempo é tão precioso que me arrependo de cada minuto que passo longe seja lá do que for: Deathbounce no Natal, Karateka agora. Eu esqueço de dormir, de comer, de trocar de roupa. Minha vida inteira vira um caos por pura negligência.” Ele estava consumido por sua visão, mas neste caso, a obsessão valeu a pena, tanto para ele quanto para o mundo dos videogames.

Contextualizados por todo esse material – as entrevistas, os comentários em áudio, as discussões sobre o design e a carta de fã escrita pelo jovem John Romero – vemos Karateka não apenas como um jogo, mas como um triunfo de criatividade humana. Vemos como Jordan Mechner, um prodígio adolescente, enxergou possibilidades no Apple II que outros simplesmente não viam, ou não tinham a engenhosidade e a determinação para explorar. Em uma era em que a inteligência artificial representa uma ameaça crescente à criatividade humana em

The post Este ‘documentário jogável’ sobre um clássico de 1984 é um dos melhores jogos do ano first appeared on Observatório de Games. Victor Danesi , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

Tue, 18 Jun 2024 16:47:38 +0000

Publicidade

Jogue agora!

Veja as últimas noticias!

10539

Publicidade