PS VR 2: 7 jogos de PS VR que deveriam receber sequências

Depois de décadas de promessas, a realidade virtual começou a se destacar. A tecnologia avançou tanto que não é mais enjoativo ou contra-intuitivo conectar-se a jogos por meio de um headset VR. O PlayStation de Realidade Virtual, ou como é amplamente conhecido, PSVR, é um desses headsets, tendo produzido diversos títulos surpreendentes.

Com o PSVR 2 chegando em um futuro próximo, agora é um ótimo momento para acompanhar algumas das joias anteriores do console. Talvez eles tivessem ideias que não foram totalmente realizadas, ou talvez já fossem entradas sólidas que só podem melhorar. De qualquer forma, criar sucessores pode levar a uma jogabilidade mais suave. Acima de tudo, porém, pode permitir que mais jogadores se divirtam na experiência virtual.

1. Astro’s Playroom

O mascote robótico tem um histórico confiável de títulos de lançamento, com Astro Bot: Rescue Mission sendo um dos melhores jogos do PSVR original (e o Astro’s Playroom dando as boas-vindas aos jogadores no PS5). É uma aventura de plataforma criativa que usa a tecnologia de forma eficaz sem depender de truques intrusivos.

Especificamente, ele joga com a perspectiva tradicional de terceira pessoa. Os jogadores inclinam a cabeça para ver os cantos e obter um ângulo melhor para o Astro. Dessa forma, eles podem admirar os ambientes vibrantes em meio a uma jogabilidade testada e comprovada. Essa fórmula também poderia atrair pessoas para o PSVR 2.

Os desenvolvedores provaram que sabem como usar o hardware, aproximando os jogadores de um jogo de plataforma em terceira pessoa do que jamais imaginaram ser possível. Tal conceito poderia ser ainda mais bem realizado no VR 2.

2. Moss: Book 2

Este bravo herói teve a sorte de obter dois títulos aclamados, ambos entre os melhores jogos de realidade virtual. Ele conseguiu isso por meio de uma versão mais profunda da jogabilidade de Astro. Além de ajustar a visão para navegar em Quill através de obstáculos, os jogos Moss vêm com quebra-cabeças.

Os jogadores também devem mudar a perspectiva para resolvê-los. Essa progressão significativa combina com a estrutura do livro de histórias para adicionar outro nível de interatividade à jornada em terceira pessoa.

Não há razão para que essa abordagem não funcione novamente com a próxima peça de hardware. Os desenvolvedores poderiam continuar a evoluir a plataforma e a mecânica do quebra-cabeça sem comprometer o desempenho. Resumindo, eles teriam o melhor dos dois mundos com hardware mais poderoso.

3. Star Wars: Squadrons

A saga Star Wars já teve diversos títulos envolvendo combate espacial, mas Squadrons é o primeiro no formato VR. Isso permite que os fãs finalmente entrem no cockpit sem sacrificar a jogabilidade. O jogo vem com uma variedade de naves – cada uma com suas próprias forças e fraquezas – que ainda são intuitivas de controlar. Infelizmente, Squadrons desperdiça esse conceito em uma história sem inspiração com missões repetitivas em uma era desgastada.

Um acompanhamento poderia pegar essa base sólida e aplicá-la em toda a galáxia. Além do período Imperial, aspirantes a pilotos podem querer travar batalhas nas Guerras Clônicas. Esta era viria com uma nova série de naves e cenários para brincar. Mais importante, permitiria que várias gerações de fãs vivessem suas fantasias de caça estelar.

4. Star Trek: Bridge Crew

Da mesma forma que Star Wars: Squadrons captura a sensação de pilotar um caça estelar, o Bridge Crew permite que os fãs comandem sua própria nave Star Trek. Aqui, os jogadores comandam colegas oficiais para cumprir várias funções enquanto exploram a Fronteira Final e encontram navios inimigos. A perspectiva VR da cadeira do capitão fortalece o cenário.

Também como em Star Wars, porém, a oferta é muito pequena. A história é intermediária no que diz respeito a Star Trek e limita as naves disponíveis apenas a USS Enterprise. É verdade que os Trekkies podem trocar a paleta para se parecer com a série de TV original ou a The Next Generation, mas ainda é uma oportunidade perdida.

A franquia tem várias eras e naves ao longo de sua história, cada uma com um vasto universo de conflitos para enfrentar. Por exemplo, os fãs podem comandar a Defiant ou a Voyager com seus tripulantes incompatíveis. Uma sequência deve capitalizar esses cenários para criar o simulador definitivo de Star Trek.

5. VR Karts

Alguém poderia pensar que um jogo de corrida em primeira pessoa estaria a caminho do enjôo. Felizmente, o VR Karts evita essa armadilha indo devagar o suficiente para não desorientar enquanto permanece rápido o suficiente para alegrar os fãs do gênero de corrida. Ele combina isso com controles e um uso inesperadamente eficaz do fone de ouvido na segmentação. Claro, os jogadores realmente não precisam de tais vantagens.

O pacote geral é simples e desossado. Além da baixa dificuldade, as pistas de corrida reconhecidamente atraentes e as trilhas sonoras do jogo não têm muita personalidade. Isso é irônico, dada a riqueza de personalização do carrinho.

Uma sequência poderia estender essa criatividade a todos os aspectos. Teria pistas mais dinâmicas enquanto aprofundava as ferramentas de ajuste de karts já existentes. Os jogadores podem até criar seus próprios cursos, tornando o jogo mais atraente para a cooperação local e online. Considerando o cenário competitivo das corridas de karts, é lógico que o VR Karts atenda a essa necessidade na realidade virtual.

6. Tetris Effect

Poucos títulos são tão atemporais quanto o Tetris, mas o Tetris Effect não se limita a uma simples emulação. Ele adiciona uma série de peculiaridades de jogabilidade para tornar os quebra-cabeças mais complexos, testando a capacidade dos jogadores de pensar em tempo real.

Além disso, envolve o jogo com visuais psicodélicos impressionantes e um estilo musical único que é, de alguma forma, relaxante e estimulante. Quando combinados com VR, esses aspectos fornecem um verdadeiro banquete para os sentidos.

Os jogadores estariam mais do que dispostos a experimentar isso novamente. Uma sequência fortaleceria os sistemas existentes, possivelmente utilizando controles de movimento para mover os blocos ou interagir com o ambiente. Isso criaria o jogo de Tetris mais emocionante já concebido. Além disso, é uma chance de ouvir mais da música cativante.

7. Blood & Truth

Blood & Truth joga os jogadores direto em um filme de crime de alta octanagem. Não apenas a escrita nítida e a atuação forte são realizadas em si mesmas, mas a RV permite que os fãs vivam através deles como um personagem-chave. Isso abre caminho para lances de parar o coração assim que o tiroteio começa. Infelizmente, é também aí que as rachaduras começam a aparecer.

O jogo tem alguns problemas que prejudicam sua imersão. Os controles de movimento imperfeitos podem ser apertados, por exemplo. Também seria apropriado dar aos jogadores algumas informações sobre o que o protagonista diz e faz. Dessa forma, eles não são apenas passageiros em seus próprios corpos. Uma sequência deve levar em consideração essas falhas. Isso tornará essa saga de gângsteres ainda mais envolvente.

Via: Game Rant/PlayStation Forum/PlayStation

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

ter, 27 dez 2022 12:47:52 -0300




Jogue agora!

Veja as últimas noticias!

5781