Review | Sker Ritual

Observatório de Games.

De todos os títulos de terror aparentemente insignificantes que reivindicam uma sequência, nunca os fãs poderiam sequer imaginaer este seria Maid of Sker quem realmente criaria esse sucessor. Muito menos uma sequência que realmente se transforma em um gênero completamente diferente do obscuro original.

Para aqueles que não conhecem, Maid of Sker era um título furtivo, um festival de terror sutil no qual o jogador tinha que ficar o mais quieto possível – e às vezes até literalmente tentar prender a respiração – para escapar dos arrepios sempre presentes. O fato da desenvolvedora Wales Interactive estar jogando ao mar a lenta jogabilidade do terror de sobrevivência em Sker Ritual não é sem precedentes.

Mas a grande verdade aqui, é o fato de que eles pegaram um jogo no estilo Call of Duty Zombies, e fizeram algo completamente digno para os fãs do gênero! E isso realmente, ninguém poderia sequer ter imaginado. O resultado é exatamente o que você esperava: um jogo de tiro cooperativo da virada do século, onde você mata hordas de monstros e desbloqueia novos buffs e vantagens no final de cada rodada.

A grande reviravolta, porém, é como Sker Ritual tenta tecer uma narrativa através de cada um dos grandes mapas do jogo, com o jogador tentando resolver quebra-cabeças e atirando em geradores enquanto tenta chegar ao final de cada nível, e ainda sobreviver aos ataques até a 20ª onda. Não é nada fácil!

Embora a mecânica central seja bastante sólida – o tiro parece responsivo, as armas têm uma boa quantidade de força (pelo menos nas primeiras ondas) – e a jogabilidade baseada em objetivos apresenta uma bela reviravolta em uma fórmula já até saturada, Sker Ritual acaba por se diferenciar por ter uma história que foge aos padrões, ou seja, um jogo de tiro que bebe totalmente do folclore galês.

Embora Sker Ritual possa ser jogado sozinho se você se sentir anti-social (como este que escreve), e é perfeitamente jogável, está claro que a melhor maneira de jogar (devo dar o braço a torcer) é no seu modo online com um grupo, já que as hordas rapidamente dominam os jogadores solo enquanto tentam fazer tudo sozinho.

Alguns problemas de conexão

Se em seu modo solo o jogo já é bom, ele deve ser também em seu modo online, já que na maioria das vezes não conseguimos uma conexão decente. E este é um problema para ser resolvido o quanto antes, já que o game é realmente atratativo.

Cada mapa tem seu próprio tema e monstros de elite que perseguem você pelo cenário e absorvem danos como uma esponja irritante. Inicialmente, o combate parece bastante satisfatório. No entanto, depois de algumas ondas, é realmente do seu interesse evitar brigas e focar nos objetivos quando possível, já que as recompensas geralmente são maiores. Isso parece um pouco antitético ao que deveria ser um jogo de tiro em sua essência, mas garantimos que não é!

Mas ele vale a pena?

Em uma primeira abordagem, o game vale a pena! Mas se Sker Ritual viverá ou morrerá, como todos os jogos online, dependerá inteiramente de conseguir capturar e manter uma base de jogadores dedicada e arrumar alguns problemas.

Apesar de sua estética encantadora e tiro sólido, as chances de Sker Ritual de conseguir isso ainda parecem mínimas, não apenas porque entrou em um espaço lotado, mas também porque suas arestas mais ásperas e problemas de matchmaking provavelmente afastarão os jogadores neste período de lançamento absolutamente crucial.

No geral, Sker Ritual é um jogo de tiro online bastante decente, prejudicado por problemas de matchmaking e uma base de jogadores ainda pequena, mas que se derem uma chance, tem tudo a provar que ele reamente vale a pena.

The post Review | Sker Ritual first appeared on Observatório de Games. Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

Sat, 01 Jun 2024 19:24:57 +0000

Jogue agora!

Veja as últimas noticias!

10402

Publicidade