Seriado de The Last of Us começa a responder coisas não explicadas no game

O primeiro episódio de The Last of Us fez o público refletir sobre o que exatamente era o fungo cordyceps. Se pesquisarmos no Google sobre ele, saberemos que ele é mesmo real (o fungo costuma crescer em insetos), mas claro que alguns mistérios sobre a infecção ficaram em abertos.

Foi então que o segundo episódio (SPOILERS A PARTIR DAQUI), exibido no último domingo (22), começou a responder algumas perguntas. Assim como o primeiro episódio da série, Infected, este abre com um sinistro flashback. Em vez de voltar para a década de 1960, no entanto, este episódio viaja para 24 de setembro de 2003 – apenas 48 horas antes dos eventos da série.

O episódio começa em uma loja de macarrão em Jacarta, Indonésia, onde o governo indonésio rastreia Ibu Ratna, professora de micologia (o estudo dos fungos) na Universidade da Indonésia. O governo leva Ibu a um hospital para examinar uma curiosa amostra em um microscópio.

“Isso é ophiocordyceps. Por que você usou cloral para preparar a lâmina?”, Ibu pergunta. “Porque essa é a preparação usada para amostras retiradas de um ser humano”, responde um militar. “Cordyceps não pode sobreviver em humanos.”

E foi assim que a humanidade acabou, como foi mostrado no episódio 1. A própria professora percebeu que tudo estava perdido após examinar um cadáver infectado por esse fungos. Pouco depois de testemunhar os padrões floridos emergindo de uma mordida humana na panturrilha do cadáver, Ibu relata que não há remédio para isso. Logo, não há vacina e o único tratamento possível é bombardear a cidade.

A cena revela que a infecção por cordyceps começou em Jacarta. Esse é um pequeno boato interessante, mas por que deveríamos nos importar exatamente? Independentemente de onde a infecção foi observada pela primeira vez, o resultado final sempre seria o mesmo: quase a aniquilação total da raça humana. 

Claro que não é culpa da Indonésia que tudo isso tenha acontecido. Como acabamos de testemunhar com a pandemia de COVID-19 em nosso mundo real, a OMS (Organização Mundial da Saúde) desaconselha nomear vírus ou condições após o local em que foram descobertos, pois nem sempre é uma garantia de onde eles realmente se originaram e isso só pode contribuir para alguma feia xenofobia.

Origem do fungo em Jacarta

No caso da série da HBO, no entanto, o salto dos cordyceps para corpos humanos observado pela primeira vez em Jacarta é extremamente significativo para a trama. Afinal, Jacarta é o lar do maior moinho de farinha do mundo e a Indonésia é um dos principais exportadores globais de farinha e trigo, e o episódio 2 reconhece esse fato quando os militares revelam a Ibu Ratna que os primeiros indivíduos infectados foram descobertos em uma “fábrica de farinha e grãos no lado oeste da cidade”. 

Infelizmente, o governo não tem ideia de quem primeiro mordeu seu espécime e 14 trabalhadores desapareceram da mesma fábrica. Assim como foi o caso na continuidade do videogame The Last of Us, é claro que na série de TV o fungo cordyceps entrou no suprimento global de alimentos antes mesmo que alguém pudesse perceber o que estava acontecendo. Não é como um vírus zumbi lento, onde um monstro infectado infecta outro, desencadeando uma reação em cadeia em todo o mundo. Este foi um evento em massa de infecção quase simultânea.

Claro, nem todas as pessoas no mundo foram infectadas porque nem todas as pessoas consumiram produtos de farinha no final de setembro de 2003. Isso nos leva a uma das narrativas de fundo mais inteligentes de The Last of Us até agora. Como notado e relatado pela primeira vez por TikToker Hidden TV Details, Joel e Sarah não se juntam aos infectados por cordyceps em 26 de setembro simplesmente porque não comeram pão. E sabe aquele bolo que Joel esqueceu de comprar para o seu aniversário? Que bom que esqueceu!

Via: Alec Bojalad/Den of Geek

Karla Sthefany , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

seg, 23 jan 2023 16:06:55 -0300




Jogue agora!

Veja as últimas noticias!

5780