TBT | O dia que um artista trollou um GPS a la Black Mirror

Observatório de Games.

A aproximadamente 4 anos atrás, o artista Simon Weckert notou algo incomum em uma manifestação do Primeiro de Maio em Berlim: o Google Maps mostrou que havia um enorme engarrafamento, embora não houvesse nenhum carro na estrada. Logo, Weckert percebeu que foi a massa de pessoas, ou mais especificamente seus smartphones, que inadvertidamente enganou o Google, fazendo-o ver um engarrafamento em uma rua vazia.

E então ele decidiu fazer isso sozinho. “A questão era se seria possível gerar algo assim de uma forma muito mais simples”, diz Weckert. “Eu não preciso das pessoas. Eu só preciso dos smartphones deles.” E assim Weckert pegou telefones emprestados de amigos e locadoras até adquirir 99 aparelhos, que empilhou em um carrinho vermelho. O projeto Google Maps Hack havia começado.

O plano era simples. Ao longo de um dia, Weckert andava para cima e para baixo em uma determinada rua, quase sempre aleatoriamente, rebocando atrás de si seu carrinho cheio de smartphones. O efeito não foi instantâneo; o Google Maps levou cerca de uma hora para alcançá-lo. Mas, eventualmente, inevitavelmente, Weckert disse que seu vagão criaria uma longa linha vermelha no aplicativo, indicando que o tráfego havia diminuído muito – mesmo que não houvesse nenhum tráfego.

Ele efetivamente enganou o sistema fazendo-o pensar que uma série de grandes ônibus se arrastava de um lado para outro. “Os dados de tráfego no Google Maps são atualizados continuamente graças a informações de diversas fontes, incluindo dados agregados e anônimos de pessoas que têm serviços de localização ativados e contribuições da comunidade do Google Maps”, disse o Google em comunicado.

A empresa também observa que, embora tenha descoberto como distinguir entre carros e motocicletas, ainda não tem como filtrar a configuração de Weckert. Weckert não é a primeira pessoa a enganar o Google Maps, e existem maneiras mais tecnológicas do que alugar dezenas de smartphones para atingir o mesmo objetivo.

Mas para Weckert, a simplicidade era o ponto principal. “Estou alcançando um público mais amplo, porque caso contrário seria muito técnico”, disse ele. “Se eu me concentrasse em algoritmos ou algo assim, poderia imaginar que poderia não ser tão compreensível.”

Em outras palavras, Weckert não “hackeou” o Google Maps para pregar peças nos passageiros. Em vez disso, ele tem uma história para contar. “Em geral, o que realmente me interessa é a conexão entre a tecnologia e a sociedade e o impacto da tecnologia, como ela nos molda”, diz Weckert.

Ele cita o filósofo Marshall McLuhan: Nós moldamos nossas ferramentas e, posteriormente, nossas ferramentas nos moldam. “Tenho a sensação neste momento de que a tecnologia não está se adaptando a nós, é o contrário.”

O Google Maps fornece um exemplo particularmente ilustrativo dessa relação. Não só é um sistema fechado, com pouca transparência sobre quais dados o informam e como são usados, mas o Google Maps também molda de forma única o mundo físico.

Se ocorrer um engarrafamento – real ou fabricado – poderá redirecionar os veículos para ruas menos movimentadas, colocando, por sua vez, pressão sobre a infraestrutura que não foi construída para o volume extra. “Vejo um conflito bastante interessante entre infraestruturas, cidades e novas tecnologias”, disse Weckert. “Há algum atrito entre eles.”

Em parte, é por isso que Weckert passou parte de seu tempo em uma das pontes de Berlim, onde frequentemente ocorrem gargalos, mesmo sem assistência artística. Mas ele também explorou outra camada de influência do Google, ao marchar com seu carrinho em frente à sede da empresa na cidade.

“Se você ficar na frente dele, não perceberá que é a sede do Google.” A empresa planejou originalmente criar um campus tecnológico no distrito de Kreuzberg, em Berlim, mas desistiu em 2018, após prolongados protestos comunitários. “Basicamente, ninguém percebeu que eles chegaram a Berlim. A questão crucial é o que isso fará com o bairro”, disse Weckert.

Via: Wired/YouTube

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

qui, 24 ago 2023 13:57:28 -0300

Jogue agora!

Veja as últimas noticias!

9961

Publicidade