PS Plus Extra: Um jogo de dezembro de 2022 é o advogado do diabo

Não há dúvida de que muitos jogadores já estão cansados das idas e vindas públicas entre a Microsoft e a Sony, já que a primeira tenta concluir a aquisição da Activision Blizzard e a segunda tem falado muito sobre como isso seria prejudicial para os jogadores do PlayStation. Isso resultou em muitos argumentos online, ações judiciais, reguladores mostrando o quão pouco eles sabem sobre a indústria de jogos e muito mais.

Mas embora a Microsoft ganhe muito com essa aquisição, esse debate se resumiu a um IP: Call of Duty. Não há dúvida de que isso é um rolo compressor, mas ainda é estranho ver a Sony argumentar que a perda potencial de um importante IP prejudica seu lugar como líder de mercado. Deve-se notar que, mesmo que a Microsoft conclua esta aquisição, a Tencent e a Sony permanecem líderes de mercado acima dela.

Alguns argumentaram que Call of Duty é, mais ou menos, uma fachada para a verdadeira preocupação da Sony: o domínio do Xbox Game Pass, especialmente quando Call of Duty apareceria lá pelo preço da assinatura no primeiro dia. Para contrariar isso, a Microsoft não apenas se ofereceu para manter Call of Duty nas plataformas PlayStation por dez anos (muito tempo em qualquer acordo como este, com a Microsoft compreensivelmente se recusando a fazer uma ligação “para sempre”).

Deve-se acrescentar também, que a dona do Xbox se ofereceu para lançar Call of Duty no serviço PS Plus no primeiro dia (onde os jogos originais da Sony atualmente não são lançados no primeiro dia). É tudo muito estressante para os jogos, e quanto antes acabar, melhor. Mas, para torná-lo ainda mais confuso, já existem algumas adições ao PS Plus Extra.

PS Plus de dezembro adicionou jogo de estúdio do Xbox

Há, desde a adição de Pillars of Eternity 2 ao PS Plus Extra em 20 de dezembro, pelo menos três grandes jogos de propriedade do Xbox no serviço da Sony. O primeiro é Deathloop, o que faz sentido considerando as negociações da Sony com a Bethesda antes da aquisição do Xbox, onde o último cumpriu todos os acordos com o IP.

O segundo é um arranhão, já que o PS Plus Extra adicionou Skyrim em novembro. Skyrim é facilmente o maior jogo do catálogo da Bethesda, e terminar no PS Plus Extra provavelmente tem algo a ver com a Microsoft. É improvável que aconteça sem sua aprovação, pelo menos, mesmo que a Bethesda retenha muitos de seus direitos de publicação. Mas todas as possíveis justificativas terminam com a adição de Pillars of Eternity: Deadfire 2.

O jogo foi publicado originalmente pela Versus Evil, com algum financiamento obtido de uma campanha de crowdfunding de muito sucesso. A aquisição da Obsidian pela Microsoft ocorreu em 2018, e a própria Versus Evil foi adquirida pela tinyBuild em 2021.

Isso quer dizer que qualquer tomada de decisão em relação aos Pillars of Eternity cabe exclusivamente à Obisidian Entertainment e à Microsoft, o que significa que, como as duas empresas brigam publicamente por Call of Duty, a Microsoft continua a honrar os acordos a portas fechadas. E a inclusão de Pillars of Eternity no PS Plus Extra, por qualquer motivo, parece um argumento de advogado do diabo em nome da Sony.

Se perder Call of Duty é a principal preocupação da Sony ou se até mesmo o domínio do Xbox Game Pass no setor de serviços desempenha algum papel nisso, colocar Call of Duty em sua plataforma PS Plus parece uma concessão mais do que razoável em nome da Microsoft.

E Pillars of Eternity está aqui, perguntando por que não. Sua colocação aqui argumenta contra tudo o que a Sony declarou publicamente. O futuro da Microsoft será dominado colocando seus maiores jogos de aquisições de terceiros em tantas plataformas quanto possível, enquanto economiza um punhado de exclusivos selecionados para si (algo que a Sony também fez historicamente, menos os bits de terceiros). Claro, jogos como Starfield ou The Elder Scrolls 6 sendo exclusivos do Xbox são um sucesso para o PlayStation, mas esse assunto não foi discutido por lá. O assunto ficou apenas em Call of Duty.

E, claro, Pillars of Eternity 2 é uma formiga comparado a Call of Duty em termos de vendas (mas não se engane, Deadfire é um excelente RPG isométrico). Mas é o formigueiro que a Sony está disposta a trabalhar com a Microsoft, e se os dois podem trabalhar juntos, então a adição de Pillars of Eternity agora, fica parecendo que a Sony está se sabotando e bancando o advogado do diabo, mesmo que seja em menor escala.

Parece a própria definição de transformar uma montanha em um montículo enquanto a Microsoft está trabalhando na conexão de túneis dentro dessas colinas.

Via: Game Rant/Joshua Duckworth

Alan Uemura , Observatório de Games.

Fonte: Observatório de Games.

seg, 19 dez 2022 16:07:43 -0300




Jogue agora!

Veja as últimas noticias!

5780